quinta-feira, 14 de abril de 2011


Encruzilhada


Na língua tupi-guarani, Joaçaba significa "encruzilhada", a palavra indígena mais próxima de "Cruzeiro" antigo nome da cidade de Joaçaba em Santa Catarina. Foi esse o nosso destino na segunda-feira dia 11 de abril para a apresentação no teatro Alfredo Sigwalt. Um belíssimo local inaugurado em 2003 com capacidade para 459 pessoas. Um palco excelente, iluminação cênica novinha, mas adivinhem? A cabine de som fechada totalmente com vidro!!!!

Na chegada em Joaçaba deixei as coisas no hotel e fui até o teatro. Fiquei maravilhado com a beleza do lugar, mas quando vi aquele aquário, não teve jeito... teria que montar a mesa de som em outro local.

Fui conversar com a responsável pelo local, uma senhora que me mostrou todo o local e como ela era alemã, já foi dizendo na lata o que podia ou não fazer.

A tarde voltei para o teatro para orientar o pessoal da empresa de som. Usamos a iluminação do teatro pois estava tudo pronto.

O bacana desse circuito é que o pessoal do SESC é muito prestativo. Tudo que você precisar, eles dão um jeito de conseguir. O notebook que usamos para passar imagens do folclore brasileiro apresentou problemas e logo eles conseguiram outro. Infelizmente também não rolou por causa das conexões não compatíveis entre o note e o projetor. Acabamos usando um aparelho de DVD para rolar as imagens.

A Ana Paula utiliza no cenário duas velas pequenas e redondas. Antes de começar a apresentação eu vou lá para acendê-las. Estava eu realizando essa função quando a "tante" do teatro apareceu do nada e disse que não poderíamos acender as velas. Eu não iria discutir com ela, pois segundo o ditado, teimoso é quem teima com alemão. Isso eu já aprendi!. Mas a técnica do SESC conversou com ela e depois de uns cinco minutos a "tante" voltou e perguntou se eu sabia operar um extintor de incêndio. "Claro minha senhora. Tenho formação em apagar incêndios". "Então tá.", respondeu a senhora, concluindo que tinha ligado para o presidente do teatro pedindo autorização e que se acontecesse alguma coisa, não seria responsabilidade dela. "Deixei dois extintores atrás da cortina caso aconteça alguma coisa", disse a senhorinha. Imaginem um extintor para cada vela de 5cm de altura!!! Mas eu entendo que são normas do local.

Tudo pronto para começar e a técnica do SESC me chamou e pediu para acompanhá-la até a entrada do teatro. "Preciso que você me ajude, Ney. Tem um fiscal do ECAD aí". Lá fui eu conversar com o cara e explicar que todas as músicas eram de autoria dos artistas que iriam se apresentar e eles abriam mão dos direitos de execução das próprias músicas. Que encruzilhada! Mas ele entendeu e fomos lá então para a apresentação do duo Ana Paula da Silva e Chico Saraiva.

Nosso próximo destino - Lages - SC.

2 comentários:

  1. Tô até vendo:(tante) _ O senhor sabe usar estintor?
    (Ney) Claro! Pois meu irmão até é bombeiro. Eu só não posso erguer muito peso pq minha avó tinha problema na coluna....
    kkkkk só vc mesmo Ney.
    Beijo. Já tô com saudade ; )

    ResponderExcluir
  2. Eu queria escrever eXtintor... desculpa aí ; )

    ResponderExcluir